Logo dlztv oficial

AÇÃO FISCAL RESGATA 57 TRABALHADORES NO PLANTIO DE CANA EM ILHA SOLTEIRA (SP)

Uma ação de fiscalização do Ministério do Trabalho e Emprego resgatou 57 trabalhadores em condições análogas a de escravo no município de Ilha Solteira no interior de São Paulo. Dentre os trabalhadores havia 8 mulheres, 6 indígenas e um adolescente de 15 anos.

A fiscalização ocorrida em 11 de maio último verificou que os trabalhadores eram contratados por um empreiteiro e não possuíam carteira de trabalho anotada, não tinham direito a férias, 13º salário ou qualquer outro benefício previdenciário, especialmente se tratando de atividade que ofereça risco. Realizavam atividades de plantio manual de cana-de-açúcar que consistia na distribuição das mudas de cana em cima dos caminhões e alinhamento das mudas dentro dos sulcos.

Os trabalhadores eram posicionados sobre a carga de cana-de-açúcar armazenada na    carroceria    de    caminhões canavieiros, configurando situação de grave e iminente risco, permanecendo em pé sobre a carga de mudas de cana-de-açúcar e lançando as mudas para o plantio nos sulcos, utilizando as duas mãos na atividade e se deslocando sobre a carga com o veículo em movimento. 

Além disso, há o risco de tombamento do caminhão canavieiro, vez que o veículo se deslocava em terrenos irregulares, previamente sulcados para    receber    as    mudas    de cana-de-açúcar. Alguns trabalhadores já haviam sofrido pequenas lesões decorrentes de quedas durante o trabalho.

Na frente de trabalho de plantio, não havia nenhuma instalação sanitária, tendo os trabalhadores de fazerem suas necessidades fisiológicas em pequenos arbustos, fazendo a higiene posterior com papel que levavam ou com folhas secas. Não havia nenhum abrigo contra intempéries para realização de refeições ou recipiente térmico para transporte de comida e água. Os trabalhadores também recebiam equipamentos de proteção individual como botas, caneleiras e luvas ou equipamentos de proteção pessoal, como protetor solar, chapéu e roupas apropriadas. 

Eram transportados, sem qualquer autorização, até a frente de trabalho em dois ônibus e um micro-ônibus sem condições de tráfego, com as ferramentas de trabalho.

No grupo havia 16 trabalhadores migrantes de outros Estados, sendo 6 indígenas da Aldeia Amambai/MS, 9 do interior do Maranhão e 1 de Alagoas alojados em casas alugadas pelo empreiteiro nos municípios de Andradina e Castilho, dormindo em colchões velhos, atirados ao chão, sem armários para guarda de roupas e pertences pessoais, que ficavam jogados no chão ou no colchão. Os indígenas dormiam em uma varanda. 

Devido à situação a fiscalização determinou a imediata paralisação das atividades, alojando os trabalhadores em hotel no município de Castilho, onde ficaram aguardando o pagamento dos valores devidos a eles. Após assinatura pelo empregador de Termo de Ajustamento de Conduta com o MPT e DPU, cada trabalhador teve assegurado R$ 4 mil por dano moral individua e cerca de R$ 360 mil reais em valores de rescisão.

Todos os trabalhadores migrantes foram embarcados em ônibus pagos pelo empregador para suas cidades de origem, além receberem guias de seguro-desemprego.

Segundo dados do Radar SIT (https://sit.trabalho.gov.br/radar/), já foram resgatados 1.201 trabalhadores de trabalho análogo ao de escravo no Brasil. Somente em São Paulo foram resgatados 156 trabalhadores – não computados os trabalhadores resgatados nesta ação, ainda em andamento.

Denúncias de trabalho análogo ao de escravo podem ser feitas de forma anônima no Sistema Ipê: www.ipe.sit.trabalho.gov.br , sistema lançado em 2020 pela Secretaria de Inspeção do Trabalho (SIT) em parceria com a Organização Internacional do Trabalho (OIT).

Fonte: Portal Toca News

Saque seu FGTS juliana Ribeiro
Mais Notícias

0 comentário

Deixe um comentário

Avatar placeholder

O seu endereço de e-mail não será publicado. Campos obrigatórios são marcados com *